“Mas cada um de nós tem alguma coisa que causa tristeza, ele pensou. E ninguém pode nos salvar de todas elas.”

Leve-me com você é um lançamento do selo DarkLove, da Darkside Books. Escrito por Catherine Ryan Hyde, com tradução de Débora Isidoro, o livro conta com 336 páginas e um projeto gráfico daqueles que a caveirinha sabe proporcionar muito bem.

O livro conta a história de August Shroeder, professor de ciências de um colégio, que gosta de viajar durante as férias de verão (que nos Estados Unidos correspondem aos meses de julho à setembro). August perdeu seu filho em um acidente de carro alguns meses antes, e isso o levou a querer completar uma viagem que tinha planejado com ele: ir ao parque de Yellowstone, localizado entre os estados de Wyoming, Montana e Idaho.

O livro se inicia com August, no começo do verão, tendo problemas com o motor de seu motor home (aqueles trailers de viagens, comuns nos Estados Unidos). Logo acontece o encontro de August com duas crianças, Henry e Seth, filhos do mecânico Wes, que está trabalhando nos problemas do motor, e esse encontro é ponto importante que vai trazer todos os acontecimentos do livro.

Muitos dos sentimentos que percorrem as páginas do livro são de conflito, de emoções e dificuldades que estão presentes no dia a dia de grande parte das pessoas: lidar com a perda, com a culpa, com a família, com as pessoas que surgem na nossa vida e a dificuldade de mantê-las por perto ou de mantê-las afastadas, e mesmo que nós não passemos por nenhum dos episódios que o livro trata, conseguimos nos conectar de alguma forma.

Wes pede para que August leve seus filhos com ele em sua viagem, sem precisar pagar pelos consertos do motor home, para que seus filhos conheçam novos lugares, e porque Wes será preso por dirigir embriagado, não sendo a primeira vez que isso acontece.

Estando em contato com August, que também teve problemas com o álcool mas resolveu procurar ajuda do AA (diferente do Wes, que não percebe isso como um problema), Seth e Henry descobrirão como a vida poderia ser diferente se seu pai resolvesse procurar ajuda.  August e Wes são homens opostos, que lidam com seus problemas de formas diferentes (por mais que esses problemas sejam semelhantes) e dão importância a coisas diferentes na vida. Isso faz com que, ao viajar com August, as crianças estejam enfrentando situações diferentes daquelas que conhecem.

Conforme conhecemos a história de August e das duas crianças, suas aflições e seus medos, vamos nos ligando mais e mais aos personagens, nos conectamos com suas emoções, repreendemos alguns de seus comportamentos e ações, mas compreendemos a forma com que eles lidam com as coisas. Talvez até podemos pensar que faríamos diferente, mas conseguimos acompanhar seu desenvolvimento e seus aprendizados.

A história é um misto de road trip, problemas familiares e emocionais e como podemos lidar com tudo isso. August precisa lidar com a morte do filho, com a culpa que ele deposita de forma velada na esposa (que estava dirigindo o carro no momento do acidente), e precisa ajudar as crianças a lidarem com seus próprios problemas.

É uma história triste, sem dúvida, que trata de temas que não são fáceis de serem encarados, mas é uma história que flui muito bem. A autora consegue criar uma história envolvente e cativante, com bastante sensibilidade, por mais complicadas que sejam as emoções de seus personagens. 

A DarkSide disponibilizou o primeiro capítulo para leitura

O livro pode ser adquirido, na Amazon, clicando aqui: Leve-me com você