Não lembro exatamente em que ano fiz a maratona de vídeos do Angry Video Game Nerd, hipnotizado por James Rolfe vestindo seu personagem de nerd revoltado, fazendo análises dos piores jogos de vídeo-game da história, com muita habilidade na hora de dizer o quanto o jogo era terrível. Com o tempo, descobri mais sobre seu trabalho na produtora Cinemassacre, transitando entre música, games, filmes, monstros gigantes, e também um conhecimento imenso no terror clássico.

Essa é a primeira de uma série de entrevistas aqui da Hora do Terror, e eu não poderia estar mais feliz de começar com um dos meus maiores influenciadores dos últimos anos.


Em que ponto você percebeu que seus vídeos estavam atraindo fãs fora dos EUA? Quais foram seus pensamentos sobre isso?

Antes do YouTube, eu nunca imaginei que meu trabalho pudesse ser visto por tantas pessoas ao redor do mundo. Eu não tinha certeza se meu humor estava mais localizado, ou meu sotaque ou linguagem o restringiria ao público dos Estados Unidos. Então fiquei muito feliz por saber que muitas pessoas gostam de assisti-los de países por toda parte. Eu pensei que poderia haver uma barreira do idioma, mas fãs de todos os lugares me apontaram que gostam de usar meus vídeos como uma ajuda para aprender inglês, até mesmo as palavras de gíria americanizadas. Conectando com fãs ao redor do mundo, me ajuda a aprender mais sobre seus países também. Me contam quais consoles tiveram, quais jogos eram diferentes, e como as coisas variavam de país para país. É tudo muito interessante. Sou muito feliz por ter fãs internacionais.

Atualmente, você cria conteúdo sobre música, filmes e jogos, mas é reconhecido principalmente pela série AVGN [Angry Video Game Nerd]. Existe algum conteúdo que você amou criar, mas não recebeu muito da atenção que gostaria?

Não tenho certeza. Eu estou sempre pensando no que será a próxima coisa do momento. Existem muitos trabalhos passados que realizei, mas sou feliz simplesmente por terem sido vistos por pessoas que gostaram deles.

James Rolfe como o Angry Video Game Nerd

Seus primeiros trabalhos foram marcados por uma produção independente, baixo orçamento e efeitos práticos. Como os filmes de terror influenciaram suas produções desde a infância até o presente?

Provavelmente influenciaram no aspecto de baixo orçamento. Ao fazer um filme, você sempre precisa usar muita imaginação, para mostrar algo que você realmente não pode fazer na vida real. Como conseguir fazer isso, sempre me motivou. Eu gosto do desafio. Gosto do estilo artístico dos primeiros filmes de terror. Isso provavelmente influenciou meu trabalho até o presente, e o futuro.

“Faça algo que você achar que está faltando no YouTube. Algo que você ache especial. O que você gostaria de assistir? Faça isso.”

Como um especialista em filmes clássicos de terror, o que você mais sente falta no gênero hoje em dia? Há algum filme recente que te deixou com uma boa impressão?

Preciso me atualizar dos últimos anos dos filmes de terror. Ouvi dizer que houve alguns muito bons ultimamente. Acho que o que falta é mais filmes de terror que não se passam no mundo real. Suponho que seja mais assustador quando o filme se passa num lugar que reconheçamos como vida real, mas eu gostaria de ver mais histórias num mundo parecido com um pesadelo, onde nada precise ser real. Talvez isso pareça meio vago e abstrato, mas se algo assim surgisse, aposto que quebraria o molde.

Entre a coleção de James, uma inestimável seleção de filmes clássicos de terror.

Num vídeo recente, você comentou que seu próximo filme seria um horror atmosférico. Pode nos contar qualquer coisa sobre isso? 

Qualquer coisa pode mudar, mas estou escrevendo um roteiro de terror atmosférico. Tudo o que tenho agora é um esboço do argumento, e estou tentando preencher todos os detalhes enquanto o transformo num roteiro final. Infelizmente não tenho muito tempo livre para dedicar a isso. Os vídeos para a web têm prioridade. O tema do filme, a menos que mude, terá elementos de nostalgia, sobre personagens que buscam o passado, retornando a algo de suas infâncias. Esse é o tipo de tema que parece estar presente na maioria dos meus trabalhos, então continuarei com ele para aperfeiçoá-lo. Provavelmente terá elementos da estética clássica do horror, com contrastes duros de iluminação e sombras. Espero que isso aconteça nos próximos anos, embora isso talvez signifique dar um tempo com os vídeos principais. Ainda não sei como encaixá-lo no meu cronograma.

Você tem alguma dica para aqueles que querem produzir uma série de vídeos para o YouTube?

Faça algo que você achar que está faltando no YouTube. Algo que você ache especial. O que você gostaria de assistir? Faça isso. E depois você precisará trabalhar extremamente duro, ter muita paciência, persistência, e alguma sorte. Pode levar anos, mas continue nisso.

Um dos destinos comuns aos jogos analisados pelo AVGN

Uma última mensagem para os fãs brasileiros?

Muito obrigado aos fãs no Brasil! Fico feliz que vocês estejam assistindo, e espero que continuem gostando dos vídeos, e toda a sorte nas suas empreitadas pessoais.


Você pode acompanhar o trabalho de James Rolfe em seu canal no YouTube, e também no website do Cinemassacre.

  • Jago Hara-Kiri

    James é o Mestre mesmo , Hora do terror humilhou geral com essa entrevista .

    • Fiquei feliz demais por ele ter tirado um tempo pra responder, sou fã demais desse cara. E vlw por comentar aqui : )