Castlevania é uma das minhas séries de jogos favoritas, desde o clássico Symphony of the Night, até o Aria of Sorrow pra GBA, Order of Ecclesia no DS, mas foi perdendo prestígio com fãs por causa das mudanças em Lords of Shadow. O lançamento da série de desenho pela Netflix deu uma revivida na franquia, e já que muita gente já fez vídeo de critica, eu resolvi fazer algo diferente e comparar os elementos da série com os jogos.

Vamos analisar cada conexão histórica, personagem, locais, então se você ainda não assistiu, vai lá assistir na Netflix e volta aqui depois, pois teremos spoiler do início ao fim. Beleza? Então vamos lá!

Baseado em Castlevania 3: Dracula’s Curse, a história se passa antes do Castlevania 1 e 2, e segue Trevor Belmont, lutando contra as forças demoníaca de Drácula. A série abre com a apresentação de Lisa, que vai até o castelo de Drácula para buscar conhecimentos científicos, e se tornar uma médica. Drácula a recebe de forma amigável, e apresenta sua biblioteca, como visto nos jogos.

Aí a gente já tem o primeiro de muitos desvios da história. Lisa não veio do Castlevania 3, e sim do Symphony of the Night, sendo a mãe do Alucard que é citada em algumas partes do jogo. Em Castlevania 3, Drácula é simplesmente uma entidade do mal que está devastando a Europa, enquanto que na série, Drácula está se vingando da humanidade por terem matado Lisa sob a acusação de bruxaria.

Lisa na Fogueira - Castlevania Netflix

A série mostra o conflito entre pai e filho estabelecido no Symphony of the Night, quando Drácula e Alucard não são capazes de impedir a morte de Lisa, e seguem caminhos diferentes, como mostrado no mangá Konami Magazine Vol.4 Nocturne in the Moonlight, lançado como propaganda do Symphony of the Night.

Na série, Lisa é queimada viva na fogueira pela igreja, enquanto que no game não é especificado. Num momento do jogo, Alucard pode descansar num caixão especial e entrar no pesadelo da Succubus, e reviver os últimos momentos da mãe numa versão distorcida. Succubus está se passando por Lisa e pede para que Alucard odeie os humanos, algo que sua mãe nunca falaria.

Drácula também está muito bem representado, seguindo um design misto de Castlevania Chronicles com o jogo The Dracula X Chronicles.

Logo no primeiro episódio, ele decide não mais caminhar como um simples usamo, e utiliza seu teleporte clássico com um pilar de fogo do céu, como visto também em diversos jogos.

Após saber da morte de Lisa e dar o prazo de 1 ano para os humanos se redimirem, Drácula está em seu castelo vendo a chuva de fogos pelo seu espelho. Ainda não sabemos a exata função dele, mas é uma clara referência ao Mirror of Fate da série Lords of Shadow, que é capaz de mostrar o passado e o destino daqueles que o encaram.

Momentos antes no episódio, Drácula comentou que o castelo inteiro era uma máquina viajante, e por isso que após um ano, ele faz seu castelo aparecer bem em cima da cidade de Targoviste, para libertar seu exército e começar sua vingança. Isso condiz com os jogos, onde toda vez que o castelo é destruído, ele reaparece em outro local. Seus corredores e salas são sempre diferentes, pois são recriados do Caos. Como você pode comparar, o design da série visto nesse poster é muito parecido com o do jogo SOTN.

Essa influência do SOTN é muito forte, mas diversos jogos da franquia são referenciados. Por exemplo, o segundo poster, é uma homenagem a capa do primeiro jogo de 86.

A aparição de Trevor Belmont no 1º episódio também mostra um machucado em seu olho, referência a Castlevania: Curse of Darkness.

Em seguida, Trevor vai até a cidade de Gresit e fala com diversos NPC’s, outra referência aos jogos, principalmente ao Castlevania 2: Simon’s Quest. Um deles deve ter aproveitado a volta de Game of Thrones para vender réplicas da Longclaw, do Johns Snow.

Depois que Trevor aceita a missão de resgatar o corpo de um dos Oradores, ele entra nas Catacumbas e utiliza uma faca para acender a tocha. Esse é o primeiro indício das sub-armas que o Belmont vai usar nos outros episódios da série. Lá embaixo, ele se depara com pessoas petrificadas, e luta com a fonte do problema. Apesar de não soltar raios pelo olho no jogo, é uma referência a Castlevania 3, quando Trevor precisa derrotar o Cyclope e salvar Sypha Belnades, se tornando uma personagem controlável no jogo.

Na série, foi inventada essa conexão com os oradores, um grupo que passa conhecimento através da fala, enquanto que no jogo, ela fazia parte da igreja que lutava contra as forças de Drácula. Em ambos ela se disfarça de homem para ter mais segurança na hora de viajar.

Uma das grandes mudanças em relação a Castlevania 3, é que no jogo a própria igreja pediu a ajuda da família Belmont para lutar contra as forças de Drácula, e na série, a Igreja é uma das principais antagonistas dos mocinhos, culpando os Belmont e os Oradores por trazerem a desgraça a região.

Junto com a chegada dos demônios, a Igreja mobiliza toda a população para matar nossos heróis. Isso muda quando Trevor resolve abraçar de vez o sobrenome da família, e remove a túnica que estava usando até então. Muito parecido com a introdução de Castlevania 3, que ele tira após rezar.

O brasão de sua roupa foi revelado antes, mas agora com mais detalhe, dá pra ver que é uma versão simplificada do brasão do Lords of Shadow.

Ele em seguida usa suas facas pela primeira vez, pra se livrar do grupo de padres. Depois rouba a segunda sub-arma, um machado de arremesso.

Na cena seguinte, temos um demônio líder daquele bando, indo tirar satisfação com o padre. Ainda não se sabe exatamente qual monstro ele referencia, mas parece com os Wargs do SOTN e o chefe Pazuzu do Harmony of Dissonance por causa dos detalhes em azul.

A cidade é sitiada em seguida, cheia de demônios, parece muito com a primeira fase do Rondo of Blood, que teve um remake pra PSP, o Dracula X Chronicles.

Quando Trevor fica encurralado, Sypha Belnades revela seu verdadeiro poder ao invocar um círculo de chamas. No jogo, Sypha Belnades é capaz de usar fogo, congelar inimigos, e jogar bolas de eletricidade. No desenho, ela utiliza os poderes de gelo pra criar barreiras e encurralar os demônios. Outra sub-arma é usada, quando Trevor arremessa um balde de água benta e Sypha transforma em estacadas de gelo. Trevor finaliza a sequência derrubando água sagrada no chão, mostrando a eficácia contra demônios.

Fica também definido que o chicote que Trevor carrega, passado de geração para geração, é abençoado e capaz de derrotar demônios com um só golpe. Após a batalha, eles acabam caindo no sub-solo da cidade, e Sypha utiliza um poder novo de vento pra salvar os dois. Eles encontram diversas armadilhas, feitas com estruturas e engrenagens, muito parecido com as torres de outros Castlevanias.

Lá, eles finalmente despertam Alucard, que possui praticamente a mesma aparência de SOTN. Sypha acredita que ele seja o cavaleiro da Lenda, enquanto Trevor o chama de vampiro, Drácula, e precisa lutar. Essa mesma luta aparece no Castlevania 3, quando Trevor derrota Alucard e ele resolve se juntar ao grupo para acabar com Drácula.

Mas se em SOTN e na série ele usa as últimas palavras da mãe como motivação, em Castlevania 3 ele simplesmente muda de lado, e se arrepende no final do jogo ao ter matado seu próprio pai.

 

Durante a batalha, Alucard usa sua espada de família, que veio de sua mãe, enquanto Trevor utiliza seu chicote e a faca como sub-arma. Alucard começa a executar seu clássico golpe do jogo SOTN, onde ele se teleporta para atacar, num grande fanservice.

Quando a batalha termina em empate, Sypha Belnades interrompe a luta e Alucard se junta ao grupo. Em Castlevania 3 temos 4 personagens jogáveis: Trevor, Sypha, Alucard e Grant Danasty que não aparece na primeira temporada.

No jogo não é possível pegar todos os personagens, pois eles mudam conforme o caminho que você faz, mas espero que eles adicionem Grant nos próximos episódios. Tanto em SOTN quanto em Portrait of Ruin você pode lutar com um trio de zumbis se passando por Sypha, Grant e Trevor.

Você pode estar sentindo falta de todas as músicas clássicas dos jogos, mas parece que eles tiveram problema com licenciamento, e não puderam colocar o Blood Tears, Vampire Killer, entre outras. Pode ter faltado alguma referência, então se você tiver mais alguma informação, ou correção, deixa ali nos comentários, e aproveite para ver a versão em vídeo dessa comparação!

Castlevania: Netflix vs Games – Análise em Vídeo

Veja Também!

Links da Hora do Terror

Twitter Instagram | Facebook | Google+