No filme de terror “A Autópsia”, pai e filho são médicos legistas de um necrotério familiar, acostumados com todo tipo de incidente de uma pequena cidade. Mas as coisas ficam muito estranhas quando começam a investigar o corpo de uma jovem não identificada, encontrada na cena de um crime que não parece fazer parte, e que apresenta indícios muito estranhos sobre a causa de sua morte.

Cenas de autópsia são muito interessantes em certos filmes e seriados, contando uma história baseada apenas nas evidências, e o filme A Autópsia (The Autopsy of Jane Doe, 2017) consegue sustentar a temática de forma excelente, carregado por indícios bizarros, se tornando um ótimo exercício mental.

Agora, muito mais do que a autópsia, eu diria que é também um filme sobre a relação entre pai e filho, duas gerações, momentos diferentes da vida. Enquanto o jovem é muito promissor na tarefa, ele não quer realmente seguir a carreira. Já o pai é um grande exemplo de profissionalismo e vasta experiência. A relação familiar é bastante amadurecida ao ponto do pai não prender o filho na carreira da família, o que cria laços genuínos entre o jovem e o ofício.

A Autópsia (Filme de Terror 2017) - 1

O necrotério fica no porão da casa, e é onde a maior parte do filme acontece. Você sente esse ambiente fechado, sem janelas, e mais alguns poucos locais com funções específicas que são bem exploradas pela história.

Já no início do filme você percebe que os efeitos práticos são incríveis. Eles realmente foram atrás de maquiagens, modelos de corpos, texturas, órgãos, entre coisas mais grosseiras que você vê numa autópsia. É explícito, e pode incomodar um pouco quem não está acostumado com um gore mais realista, porém sem exageros.

O filme tem sua cota de jump scares, alguns barulhos bem altos e gratuitos, outros melhor colocados, mas nada que realmente surpreenda. Possui mais peso no cinema do que assistindo em outro lugar, por exemplo. Mas o terror que mais chama a atenção é o que segura o suspense, escondendo certas coisas para fazer a nossa imaginação funcionar.

Conforme eles se avançam com a autópsia em si, incidentes estranhos e sombrios começam a acontecer em torno da sala de operação. Então o filme abraça de vez o sobrenatural, enquanto os personagens mantém suas decisões muito realistas, convidando o expectador a ir até o final com eles. Sequências de conflito, muita desorientação, reflexos, terror clássico e escolhas inteligentes com algumas reviravoltas previsíveis.

A Autópsia (Filme de Terror 2017) - 2Mas é na virada para o terceiro ato, onde a única opção é continuar investigando, é que eles derrapam um pouco no ritmo, tropeçando quase que literalmente na resposta. Todas as pistas são conectadas por um diálogo expositivo, que ajuda no entendimento para que não conhece muito do tema abordado. São informações geográficas, históricas, não muito conhecidas aqui no Brasil, então pode ser uma resolução meio superficial se você não comprar a ideia.

É possível entender a forma como cada coisa se conecta baseado na experiência de outros filmes, e assim abraçando a transformação, ou aprender coisas novas do tema, gostando mais da parte de investigação do que da resposta. O final podia ter sido melhor desenvolvido, acompanhando o ritmo do restante do filme, mas acabou sendo apenas o suficiente pra respeitar o que foi apresentado até ali.

Alguns efeitos de computação gráfica incomodam pela qualidade, mas não tiram valor do filme. Destaque para a maquiagem e atuação da atriz e modelo Olwen Catherine Kelly, que faz o corpo do filme. O roteiro fez um trabalho excelente da forma como evolui na investigação do corpo, e ao mesmo tempo faz a gente se importar com os personagens vivos.

É um filme que merece ser visto nos cinemas, e talvez um gatilho para termos mais autópsias em filmes de terror. A Autópsia é por enquanto um dos melhores lançamentos desse ano aqui no Brasil, e apesar de não ser ambicioso, ele entrega o que promete e consegue surpreender.

A AUTÓPSIA | Crítica em Vídeo

Veja Também!

Links da Hora do Terror

Twitter | Instagram | Facebook | Google+

  • Valeu pela resenha e crítica. Apesar de jé ter esbarrado nesse filme algumas vezes, não tinha ainda me chamado a atenção o suficiente, mas agora fiquei tentado a assistir. Talvez justamente por ser uma trama que verte do puramente investigativo enquanto assassinato para o sobrenatural, coisa incomum em filmes com tema de autópsia. Abração. 8)

    • Ah, que bom que te despertou interesse x)
      Tenta assistir sim, pois é um filme relativamente original e bem executado, mesmo que ele não seja tão impactante na reta final. É fácil de encontrar ele por aí também. Obrigado por comentar, espero que goste das próximas recomendações também o